BOTELHA AO MAR (Agosto-2002)

BOTELHA AO MAR (Agosto-2002)

ESCREVER POESIA, pode-se escrever poesia voltando à infância, eu nom podo,ou recebendo a velhice, ainda nom me visitou.

É MENTIRA TUDO ISSO: Tanto ruído da vida política espanhola, todo o dia a falar com a boca cheia da palavra “democrático”.
A verdade da democracia espanhola é o que está oculto, está sob a terra: essas fossas comuns com os corpos sem identificar e sem recuperar dos que fôrom assassinados polo fascismo franquista. A verdade é o medo a recuperar esses corpos, enquanto continuam nas igrejas católicas e nos muros públicos as homenagens aos “caídos por Dios y por la Patria”. A verdade da democracia espanhola som esses óssos que continuam arrombados, esses brancos frutos
duros e amargos.

LEITE NEGRO. A política que negociou e negocia o Governo Espanhol com a U.E. condena o sector agrário na Galiza. Umha consequência é que há mais leite produzido do que está autorizado, chamam-lhe “leite negro”. Leite negro e amargo é o que leva bebendo este país anos e séculos.

IMPRENSA DE GUERRA. Os meios de comunicaçom espanhóis, ou especificamente os madrilenhos, que som os que se apresentam como espanhóis, desde há anos mostram-se como arma de guerra do Estado contra o terrorismo da ETA e contra o nacionalismo basco. Naturalmente, esse é o flanco polo que combatem contra todos os nacionalismos que questionem o seu, o nacionalismo de estado. Era bem um relatório que analise a desapariçom brusca dum jornalismo que
apenas tivera tempo a nascer logo de morrer o ditador e ja está a mirrar.

ONDE é que vai a mala de Walter Benjamin? A Europa que pudo ser e nom foi.

E POR QUE tivo que pousar Herr Heidegger as suas mãos peçonhentas e esquivas nas palavras indefensas do Hölderlin? Vilezas inúmeras formam a história da
cultura.

VIVER É ESTAR POSSUÍDO (pola vida, que nos usa, nos arrasta, nos tripula, até que nos deixa a um lado e continua esplêndida).

AS FÉRIAS passamo-las colados uns aos outros, encurtando o espaço que temos o resto do ano. A consequência é que nom há a pausa, o descanso distante de que a gente precisa para escrever estas notas. Estas notas nascem de poder distanciar-se umha miga, sequer um momentinho.

NOM SE PODE ENTENDER O CRISTIANISMO FORA DO JUDAISMO. Debera pedir o reingresso na casa do pai.

LUZ DE AGOSTO. “Light in August”, intitulou um dos seus melhores romances com um dos seus mais belos títulos o William Faulkner. A luz de agosto é dura, quase queima a planta e porém já leva dentro a melancolia polo que vai vir. Esta soidade.

[No mar outra vez dende o 15.06.2007]